• Guilhoché…

    ...sinto-me como um ornato composto de traços ondeados que se cruzam e entrelaçam com simetria; tentando me redescobrir e me reinventar sem perder a essência. Com essa probidade, quero, aqui, manter em mim esse vento de espírito jovem, essa curiosidade infantil em relação ás coisas, essa espécie de encantamento em relação ao ser humano. Quero crer que somos muito maiores e mais interessantes que as barreiras que o mundo impõe e que os limites que a vida oferece. Acredito na transformação dos sentimentos e no melhor de cada um. Quero que minha inspiração esteja sempre afiada; colocando em harmonia instinto, alma, criatividade, percepção e uma dose de crítica, que pra mim funciona como uma espécie de veneno destilado. De certa forma, viver, também é seguir essa premissa. O veneno que me refiro é aquele acompanhado de uma grande quantidade de conhecimento, que servirá para discernirmos opiniões. Enfim, se você quer se redescobrir e compartilhar instantes, detalhes e informações; venha fazer parte do meu mundo!
  • Categorias

  • Twitter Valéria

    • WWF- Brasil shar.es/15OaIJ 1 year ago
    • Mamãe coruja...to babando!! 6 years ago
    • Gente Boa; só passei pra contar que o bebê é MENINO!! hEHEHE!! Agora, faltam 3 meses e meio...hahaha 6 years ago
    • Estaremos no Politicom com o tema "Marketing político e redes sociais"...hehehe!! 6 years ago
    • "O carvalho não cresce à sombra do cipreste, e o cipreste não consegue crescer à sombra do carvalho"... 6 years ago
  • Face Valéria Amoris

Frase

Li essa frase no face da minha amiga Lais Rossi e decidi compartilhar…achei muito engraçada e confesso que combina comigo.

“Não acho nem a ponta do durex quanto mais o amor da minha vida”!

Sinto-me exatamente assim…

liberdade

                                                        LIBERDADE E CONTROLE

“EU NÃO SEI VOCÊ, MAS EU FAÇO O TIPO controladora, gosto de estar na regência de tudo o que me cerca, vivo a ilusão de que sem mim as coisas não irão funcionar, me sinto necessária, e isso me agrada e ao mesmo tempo me angustia, gostaria de ser mais relaxada e mais resignada diante da minha falta de controle absoluta: pois é, a gente pensa que tem controle sobre tudo, mas não temos controle sobre nada.

Se você curte se auto-investigar, bem-vindo ao clube.

Passei horas, outro dia, conversando com um amigo sobre este instigante assunto: temos ou não temos controle sobre nossas vidas? Minha tendência é acreditar que há um controle ao menos parcial. Senão vejamos: eu tenho o poder de fazer escolhas. Posso dizer sim ou não, ir para a esquerda ou para a direita. Posso me separar, continuar casada, ter mais um filho, posso mudar a cor do cabelo, posso abandonar o emprego, passar dois meses sozinha numa ilha ou me internar num convento. O que me impede?

Você mesma se impede, responde ele.

Tem razão, o problema é que não somos livres. Eu, ao menos, não acredito em liberdade enquanto houver dependências afetivas. Para ser livres, precisaríamos não manter nenhuma espécie de laço com ninguém, o que é impensável: abrir mão de pai, mãe, irmãos, filhos, amigos, um amor. É um preço alto demais para pagar pelo ir-e-vir. Estou de acordo com um psicanalista que disse que o máximo de liberdade que podemos almejar é escolher a prisão em que queremos viver. Eu escolhi a adorável prisão dos afetos.

Meu amigo considera interessante essa história de escolhermos nossas prisões, mas diz que isso só prova que somos 100% livres. Poderíamos escolher prisão nenhuma, mas nos é intolerável a idéia de viver soltos. Então vamos construindo nossas cercas: uma mãe doente a quem não podemos decepcionar, uma esposa que iria se suicidar se a deixássemos, filhos que iriam ficar traumatizados com nosso divórcio, um emprego ótimo que seria loucura abandonar, enfim, vamos inventando empecilhos para não sair da jaula. A liberdade é desestabilizadora, e queremos tudo, menos a subversão.

Pergunto: que mal há em sermos corretos, em agirmos com decência e discernimento, em não frustrar as expectativas que depositaram em nós?

Mal nenhum, responde meu amigo. É até muito nobre, diga-se. Mas quem inventou as definições de correção e decência? E quanto às suas próprias frustrações, são menos importantes do que as que os outros têm em relação a você?

Pois é, de vez em quando entro em uns debates insanos sobre liberdade e controle, e onde chego com tudo isso? A um papo excitante, o que já é muito. Pensar é um ensaio de liberdade. Que poucos se atrevem, aliás. É o que por hora me permito enquanto eu não for — na prática e às ganhas — totalmente livre”

                                                                Martha Medeiros

OBS.: Raphael, meu seguidor…o cara que anda me inspirando!! Este post dedico a você!! Obrigada por passar por aqui e por meio dos seus recados me trazer de volta ao MUNDO e, mostrar  que o que eu mais gosto de fazer está gritando dentro de mim; necessitando se libertar. Eu precisava: ESCREVER e principalmente VIVER!! Valeu rapaz!!

AFF…

DEFINIÇÃO DE FILHO POR JOSÉ SARAMAGO:

“Filho é um ser que nos emprestaram para um curso

intensivo de como amar alguém além de nós mesmos,

de como mudar nossos piores defeitos para darmos

os melhores exemplos e de aprendermos a ter

coragem. Isto mesmo! Ser pai ou mãe é o maior ato de

coragem que alguém pode ter, porque é se expor a

todo tipo de dor, principalmente da incerteza de estar

agindo corretamente e do medo de perder algo tão

amado. Perder? Como? Não é nosso, recordam-se?

Foi apenas um empréstimo”.

SAUDADE…

“Saudade é não saber. Não saber o que fazer com os dias que ficaram mais compridos, não saber como encontrar tarefas que lhe cessem o pensamento, não saber como frear as lágrimas diante de uma música, não saber como vencer a dor de um silêncio que nada preenche”.

Martha Medeiros

FALANDO DE SENTIMENTO

Há alguns dias estava teclando com uma amiga muito querida, a Bibi, que sempre me presenteia com palavras que tocam meu coração e acalentam minha alma de uma maneira tão sublime que decidi compartilhar nossa conversa com vocês, após ter acabado de receber um torpedo de outra amiga que anda com seu coraçãozinho em pedaços.

Estava contando a ela como me sentia radiante quanto à maternidade e disse que além desse presente majestoso que ganhei de Deus, meu filho João, ocorreram outros fatos na minha vida que me destruíram por dentro…que as vezes me sentia como se estivesse chego ao fundo do poço. Tinha a sensação de ter perdido as rédeas da minha vida. E me perguntava por que agora que tenho uma dádiva nos braços não me sentia totalmente feliz? Por que o ocorrido triste martela dia e noite na minha cabeça enquanto eu queria viver tranqüila esse momento, único, de ser mãe?

 Carinhosamente Bibi me escreveu:

Val, ser mãe é um dos mistérios do universo. É algo que vem trazer sentido e bagunça na nossa vida. Um ser frágil, que cresce na nossa barriga e nasce tão cheio de personalidade própria. Um ser que de tão frágil, nos exaure, mas que com apenas um sorriso enche a sua vida de significado. Há realmente muitas coisas com as quais a gente não sonha ou planeja, mas elas acontecem na nossa vida. Nem tudo tem que fazer sentido, mas tudo tem o seu fim (finalidade). E toda a ação nos transforma. Toda a escolha nos brinda com um elenco de conseqüências que nos torna mais fortes e mais corajosas.

Não acho que você tenha perdido as rédeas da sua vida não, Val! Agora vc está lidando com as conseqüências de uma escolha. Amar e cuidar do seu filho é parte das rédeas da sua vida e nisso você tem que colocar o melhor de si, buscar no seu interior sentimentos positivos. Não queira fazer tudo agora. Resolver tudo em apenas um momento. Você tem que elencar as suas prioridades e ir executando apenas aquilo que é possível, sem se cobrar por aquilo que você humanamente não pode dar conta. Antes de amar ao seu filho, você tem que amar a você. Antes de querer dar conta das rédeas da sua vida, você tem que parar, respirar e analisar qual é a sua vida agora. Porque certamente ela deve ter mudado MUITO. E se é uma nova vida que se apresenta, aproveite para mudar aquilo que não mais te acrescentava antes. Faça a podagem como uma boa jardineira.

Não tenha medo de pedir socorro. Ser mãe não é fácil. Todas passam por momentos de muita tristeza e fragilidade após a gravidez. Não deixe que as pessoas te digam que vc não tem motivos para estar triste, porque tem um filho lindo e saudável. Você tem motivos para ser feliz com ele e para ele, mas também tem todo o direito de estar frágil, carente e insegura em relação ao futuro. A gente realmente pensa que se firmar o passo, poderemos de certa forma prever o que será o nosso futuro. Não podemos. A única solução é ter o coração aberto, a mente alerta e aquela vontade de ser feliz apesar de qualquer circunstância. Não coloque a sua felicidade nas mãos de outra pessoa. Traga ela para o centro da sua vida e viva! Homem nenhum pode tirar a sua paz ou te levar para o poço. Você está no poço, porque escolheu ir para lá, deixou que te minassem.

Mas escuta: o poço é só um lugar. Aproveite o silêncio do poço para não ouvir mais ninguém, senão a si mesma. Aproveite a solidão desse lugar que vc se meteu para falar com Deus, que te ouve sem condições e está pronto para te carregar no colo e te dar amor. O poço é um lugar protegido do caos do mundo veloz e cheio de barulhos que nos confundem. O poço é quase um útero materno, mas com falta de calor, porque este tem que nascer dentro de você, é a força para escalar essa montanha de pedra. E vamos ter que escalar muitas. Assim como você se deixou levar para o poço, deixe-se levar para o jardim que te espera lá em cima. Isso, olhe para cima: você verá o céu com as estrelas, você verá o sol com o seu calor. Busque o calor.

Não é mole não, eu sei! Eu já acreditei em bicho papão e ele me dava muito medo. Hoje bicho papão é um homem gostoso e tarado que me espera em qualquer esquina dessa vida. Antes eu fugia dele e agora parece que é ele que foge de mim, ou anda por outros caminhos. Hahaha! É isso, ver nas dificuldades uma maneira de sorrir. Rir de si mesma. Encontrar a piada nas pedras e não se levar tão a sério, quanto às pessoas que nos cercam tentam com seus rótulos e conselhos sem sentidos. Não posso te dizer: faça exatamente isso. Mas posso te dizer: vá em frente, tenha força e fé, porque a resposta vem com o tempo, basta você estar organizada com sua vida para quando a solução – feita por você através da sua decisão – aparecer, você estar apta para lidar com as suas consequências. Tudo em novidade de vida. A vida é nova sempre que nos brindam ou nos permitimos a mudanças!

Vai dar certo!
Tô aqui para você!
Um beijo.

Após ler esse conselho que soa como se fosse uma poesia fiquei em silêncio…

…olhei pro João que estava num soninho tranqüilo ao meu lado e simplesmente sorri.

Agradeci novamente a Deus por ter posto ele em minha vida e aqueles que amo e que não me deixam só nem por um instante. Vagamente comecei a pensar nos últimos momentos que João e eu tivemos com minha família (que agora é dele também) e com meus amigos, aqueles que escolhi como se fossem entes familiares e lembrei de todos os gestos carinhos, do amor incondicional e da felicidade que paira no ar quando estão com o João nos braços.

Me senti um pouco mais segura. Talvez o medo começou a diminuir. Não tenho idéia do amanhã, quanto mais do futuro que nos espera. Mas tenho a certeza que se outra vez minhas mãos começarem a fraquejar enquanto seguro as rédeas da minha vida SEMPRE terei aqueles que vão sobrepor às mãos por cima das minhas pra me ajudar a segurar com mais firmeza.

A Bibi tem razão quando diz que “tenho todos os motivos para ser feliz com ele e para ele”. Antes de teclar com ela estava sentindo que meu apartamento parecia estar vazio, abandonado, frio, grande, sem vida…

….após o silêncio e alguns dias de reflexão, aos poucos meu apartamento voltou a tornar-se cheio de vida com os gritinhos do João que a cada dia passa mais tempo acordado e descobrindo os objetos ao seu redor. Devagarzinho nosso lar está ficando mais aquecido porque com muito esforço estou afastando os pensamentos que, ainda, me entristecem. Aos poucos o João e eu vamos ficando bem em nossa própria casa; afinal todo recomeço tem um processo de adaptação. Lentamente estamos achando conforto em nossas vidas; sem pressa estamos descobrindo um novo mundo. Um mundo a dois, op´s a três com a nossa gatinha Sophia.

Melhor que seja assim, aos poucos, devagar, lentamente…nos conhecendo e nos descobrindo. Hoje além da lata de leite e do lencinho umedecido compramos flores pra alegrar ainda mais nosso lar; nosso doce lar.

Encerro esse post que tem cara e jeito de desabafo com os risinhos do João que acabou de dar uma bela gorfada em mim…rsrs!!

Que assim seja!!

O MATRIMÔNIO

“Vocês nasceram juntos, e

juntos estarão mesmo quando

as asas brancas da morte

terminem com seus dias –

porque continuarão unidos na

memória silenciosa de Deus”.

 

“Cartas de Amor do Profeta”, Ed. Ediouro – leia o texto na íntegra no Blog do Paulo Coelho.